Rua Rodrigo da Fonseca, 103B
1099-074 Lisboa | Portugal
t:    00 351 213 823 131
tm: 00 351 961 042 199

Susana Paiva

Auto-retrato de sonhadora com lente de plástico

Faz algum tempo que me divorciei da escrita, depois da descoberta dessa grande paixão que tem sido a fotografia. Tornei-me fotógrafa ao longo dos últimos 20 anos, plenos de aprendizagens e dúvidas propulsoras que hoje me asseguram ter encontrado o meu Olhar. Construí a minha singularidade através da pesquisa e experimentação constantes, descobrindo o meu ritmo, distância de segurança e sujeitos de eleição.

Hoje sei que sou uma fotógrafa lenta, que necessita de tempo para a contemplação, para a instalação num certo espaço ou interacção com um certo sujeito. Descobri que sou uma fotógrafa do tangível, que necessita de estar próxima dos seus sujeitos, de criar emoções – de emocionar e ser emocionada – de partilhar, com generosidade, os seus projectos e ideais fotográficos. Compreendi que me move uma imensa necessidade de transfigurar o real e de procurar fragmentos poéticos no quotidiano e que a fotografia se tornou a minha linguagem primeira, substituindo gradualmente a palavra na minha interacção primordial com o mundo. Hoje sei que é quando comunico e partilho as imagens que crio, bem como a paixão que nutro pela fotografia, que mais me realizo, não apenas como profissional mas sobretudo como ser humano.

Susana Paiva



Obras de Susana Paiva em acervo.

Série “Plastic Morocco” | As tiragens que constituem esta edição são exclusivas da BLOCO103, em papel de formato 33×50. Cada edição é estritamente limitada a 5 exemplares assinados, numerados e certificados.
Susana Paiva

Susana Paiva

Susana Paiva

Susana Paiva

Susana Paiva

Susana Paiva

Susana Paiva

Susana Paiva

Susana Paiva

Susana Paiva

Susana Paiva

Susana Paiva

Susana Paiva

Susana Paiva

Susana Paiva

Susana Paiva

Susana Paiva

Susana Paiva

Susana Paiva

Susana Paiva

Susana Paiva

Susana Paiva

Susana Paiva

Susana Paiva

Susana Paiva

Susana Paiva

Susana Paiva

Susana Paiva

Susana Paiva

Susana Paiva

Susana Paiva

Susana Paiva

Susana Paiva

Susana Paiva

Susana Paiva

Susana Paiva

Susana Paiva

Susana Paiva

Susana Paiva

Susana Paiva

Susana Paiva

Susana Paiva

Susana Paiva

Susana Paiva



Durante anos fotografei exclusivamente com película Preto e Branco e eram longas as noites de insónia passadas em improvisados laboratórios nas casas de banho de todas as casas que habitei. A câmara escura era
o lugar alquímico onde as sombras que sempre pontuaram o meu trabalho deixavam irromper o branco das figuras recortadas pelos projectores de cena.

Hoje sei que o meu trabalho como fotógrafa de teatro marcou indelevelmente o meu Olhar. Nunca me libertei dos negros profundos, da necessidade de recortar as acções e figuras com precisão cénica nem de procurar a teatralidade fora dos palcos. Num sentindo mais lato a rua tornou-se o meu espaço cénico de eleição.

Quando descobri o trabalho fotográfico “American Color” de Constantine Manos compreendi que a cor, que até aí descriminara, poderia cumprir um importante papel dramatúrgico. A partir daí as minhas imagens tornaram-se plenas de saturadas cores, de uma vida que, até aí, o preto e branco só indiciara.

Nas ruas de Marraquexe encontrei a luz e cenário perfeitos para a invocação da obra de Costa Manos. A penumbra dos souks, o exotismo cromático da cidade e o seu eterno frenesi revelaram a perfeita teatralidade que já antes, sem sucesso, buscara nas ruas de Paris.

Sobre PLASTIC MOROCCO |

“Plastic Morocco” é a minha mais recente série fotográfica onde, deambulando por diversos cidades Marroquinas, me deixo guiar pelo desejo de criar imagens poéticas, orgânicas, imperfeitas, tão próximas da visão ideal que actualmente tenho da fotografia.
Se é verdade que a perfeição técnica e formal das imagens é uma das condições – ou deverei dizer fantasmas – que continua a pairar no universo da criação contemporânea porque será que não me revejo nelas? Talvez continue a acreditar, como afirma Jeff Wall, que em toda a imagem faz falta um pouco de imperfeição. Afinal não será essa mesma imperfeição que espelha a existência de um criador, humano como todos nós, por detrás do equipamento?
Eu por mim estou certa que estas imagens são as que mais interessam pois são elas que simultaneamente melhor me espelham enquanto ser humano e a sonhadora que me esforço por continuar a ser.


1997
Catálogo “Corpo Volátil”, Susana Paiva, Centro Cultural de Belém, Lisboa
2004
Livro “Verso de Autografia”, Miguel Gonçalves Mendes, Paulo Reis e Susana Paiva, Assírio e Alvim, Lisboa, Portugal
Livro “Diálogos com a cidade”, João Paulo Cruz e Susana Paiva, Minerva Editora, Coimbra, Portugal
2008
ebook “Camargue”, Susana Paiva, Democraticbooks, Colónia, Alemanha

Susana Paiva


Comments are closed.